O lugar do ensino de gramática – Parte II

Discutimos a importância do ensino de gramática num post anterior, e como os métodos de ensino de língua materna têm progressivamente deixado de lado esse tópico em favor de outros (como o conhecimento dos gêneros textuais e da semântica, por exemplo). Nesta postagem dou continuidade (um tanto tardiamente) a essa discussão, observando a importância do estudo sistemático da gramática em diferentes níveis de ensino, como ferramenta de desenvolvimento do raciocínio.

No Brasil, sabemos que toda a educação tem privilegiado as ciências exatas. Isso é em parte consequência dos governos militares, que incorporaram a visão pragmática da educação no âmbito do capitalismo, como instrumento para treinamento de cidadãos com vistas a servirem como mão-de-obra para o mercado de trabalho. Ora, essa visão se acentua ainda mais agora, com um governo que tem claramente atacado as ciências humanas, julgando-as “inúteis” e, além disso, (não declaradamente, é claro) perigosas para a efetivação de seu projeto de poder, já que introduzem o pensamento crítico como elemento central na formação da pessoa humana. A gramática situa-se na convergência entre ciências exatas e humanas, e por isso continuam sendo esquecidas (apesar de não serem um alvo predileto, como o é a filosofia).

Estudos psicolinguísticos há muito apontaram o benefício de crianças estudarem música como auxílio para o desenvolvimento de habilidades matemáticas. Não é difícil entender a razão: a música é um sistema de linguagem (porém não de língua), uma vez que composto por elementos básicos (notas), uma série de operações que apresentam variantes (duração, ritmo, pausas) e regras para a combinação de tais elementos. Na língua (especialmente em seu aspecto gramatical) temos o mesmo: palavras, variantes e regras para seu ordenamento. A gramática é tão relevante para a consolidação do raciocínio quanto a matemática, porque ela repousa no aspecto lógico da linguagem.

Por que então a gramática vem sendo progressivamente colocada de escanteio no ensino brasileiro?

Primeiro, nosso ensino é por um lado extremamente centrado no aspecto normativo. O aspecto lógico não poderá ser trabalhado a partir de um estudo meramente normativo, pois este não está realmente interessado em explicar como a língua é, mas sim em impor uma determinada conduta linguística a seus falantes.

Segundo, nos últimos anos, o aspecto normativo cedeu lugar à visão discursiva (pelo menos em algumas escolas e métodos). Essa visão apregoa que todo texto só pode ser compreendido a partir de sua relação com outros textos, portanto situado em termos de contexto e cotexto. Nada mais justo, porém a gramática passou a ter um papel meramente figurativo, quando ela é a base para a construção do significado, sem o qual nenhum texto pode ser compreendido. Ou seja, a visão discursiva e a visão gramatical, que deveriam ser complementares, são apresentadas como antagônicas.

Terceiro, não há política pública que realmente valorize a gramática no ensino. Nas diretrizes do MEC, a gramática ocupou algum espaço, mas não há um conteúdo mínimo cobrado no ENEM. Isso se confronta com o que ocorre em outros países, em que gramática e raciocínio lógico são componentes cobrados para a entrada no ensino superior. Nos Estados Unidos, o SAT (Scholastic Aptitude Test) é um balizador, que deveria ser adaptado ao ENEM, com conhecimentos específicos sobre léxico e gramática acoplados à interpretação de texto.

Quarto, criou-se um círculo vicioso, por conta da precarização do ensino no país. A debandada de vocações das áreas de ensino faz com que os jovens que se dedicam ao curso de letras não estrjam dispostos a grandes sacrifícios. No entanto, dominar a gramática será uma tarefa dificultosa para a maioria desses estudantes, que não receberam uma base sobre a qual os professores universitários poderão trabalhar. Com isso, do desinteresse, não raro eles passam à rejeição dessa área de estudo, preferindo outras que lhes sejam mais “palatáveis”.

No meio a tudo isso, não incrivelmente a discussão sobre o ensino de gramática tem tomado força nas universidades. Porém essa discussão, se bem que relevante, será inócua se as bases do problema não forem atacadas.

Publicado por

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s